domingo, 21 de outubro de 2012

Blogger life 35

Em tempos tão complicados ainda me atrevo a ter algo parecido com um diário. Eu nunca tenho nada de extraordinário pra contar neste blog, mas conto um monte de bobagens como se fossem realmente grandes aventuras. "São tolices, que penso sobre você..." dizia Nasi. Ainda acredito em tolices.
Lá vem o 2º turno das eleições e mais uma vez não há candidatos que sejam úteis para a população. respeito Nelson Pelegrino, pois ao longo de minha carreira escolar pude acompanhar sua jornada política e sinceramente eu não vejo como dentro do PT pudesse ter tido melhor sucesso. Vejo-o como um coelho dentro de um buraco de paca.
Ontem acordei mais tarde do que de costume, aliás tô me acostumando a isso, Conhaque é que deve estar fulo, mas ninguém disse que o céu era certo, certo? Meu vizinho ainda faz campanha, agora pra ACMzinho. Quando ponho o pé fora de meu sagrado e imaculado lar, piso num desses adesivos metálicos do próprio capetinha neto. Tento ficar alheio a toda essa sujeira eleitoral, mas chegando na avenida suburbana, enquanto espero o sinal abrir não consigo ver se os carros que se aproximam vão parar pra mim, pois eles não conseguem me ver devido aos cavaletes de campanha. "Vou passar aqui de noite e arrancar tudo pra fazer uma barraca", penso. Na volta pra casa, advinha? Piso em mais um adesivo do lixo eleitoral e da irritante imundície urbana. "QUERO IR EMBORA PRO MATO!"
E pensar que eu iria usar aparelho com 40 anos... o desprezo pela estética não me faz livre. "não há nada de errado em ser diferente" Dizem. Eu só queria não ter que pensar nesse tipo de coisa tão antinatural, tão antipática, tão em moda entre os "coroas".

Hoje do nada recebi uma sms me lembrando que era a hora de fazer o que eu já estava fazendo. Sincronicidade? 
Ver as pessoas que gostaria... 
Receber telefonemas na hora certa...
Estar certo no lugar exato. 
Essa é uma lei que está em vigência desde o início dos tempos por toda a eternidade. Não há coincidência, melhor, há coincidência, mas concordo com Jung: "nada é coincidência!" Sei que isso pode ser uma repetição cansativa, mas é a lei, faça o que quiseres.
É preciso bem pouco esforço pra se mudar de idéia, mas é um exercício bem cansativo esse de ficar se policiando para não parecer cair em contradição. Eu caio em contradição direto, porque tenho conceitos bem duros sobre as questões mais diversas e comuns, mas a culpa dessa contradição é da falta de "polícia elementar".
O engraçado é que eu nem gosto de falar de mim porque me acho um lixo e um péssimo exemplo a ser seguido, não como ser humano, mas como exemplo de sucesso. Não sou do tipo de gente que essa sociedade tolera muito, mas nunca fui muito de andar escondido com medo do julgo maligno dos ignorantes. Imagina se eu precisava de algo além de minha cor pra não ser bem aceito, ou ser olhado de canto, ou ser baculejado no busu, ou ter o carro parado na blitz, ou levar fora daquela "galeguinha"... acho graça porque parece que depois de tantos anos as pessoas simplesmente se esqueceram que eu carrego o peso de ser eu mesmo desde que nasci. Imagina se piada de mau gosto eu já não ouvi? hehehe
Lembrei quando eu caí de bicicleta uma vez, em frente a delegacia e o policial veio perguntar se eu tinha caído. Sei que eles são uns sacanas, mas vai ter sangue de barata assim no inferno! Eu também não gosto de falar da vida alheia, principalmente porque alguém vai chegar e dizer que eu sou um cretino e um mentiroso e aí vai descarregar toda a sua ira contra mim e toda a minha raça. Já sei com é. Deixo a vida emocionante dos outros pra lá por enquanto. Escreverei ficção.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *