sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Por uma vida menos doentia...

Eu não quero um mundo livre de drogas. Quero um mundo sem "terroristas", "erroristas", sem essas pessoas que tem no medo a arma para subjugar às outras. Quero o mundo onde as pessoas se preocupam com o bem estar do próximo, se ele tem o suficiente para sobreviver e se manter produtivo. Quero um mundo livre! O mundo livre é lindo!
Desde quando neste país se considera a necessidade de uma minoria?
As mulheres continuam morrendo nos abortos clandestinos;
As mulheres também continuam sendo espancadas todos os dias, e violentadas e vilimpendiadas;
Ninguém acha nada estranho na "machesa" da sociedade, falando em atenção de mídia em campanhas mundiais;
O jeitinho brasileiro ainda é a lei e ninguém considera que a corrupção é uma doença;
Os jovens continuam sendo massacrados por uma necessidade irreal de se sentir aceito, incluso no mundo do consumo, e muitos não sabem sequer se vivem, o que podem fazer de realmente bom e útil, e de se tornarem pessoas melhores, talvez, e deppressa, com certeza, e ninguém vê perigo nenhum nisso;
O álcool, o tabaco, o açúcar, continuam matando indistintamente e não vejo nenhum debate sobre isso. Eles matam mais que o tráfico de de qualquer droga.
A não ser nas mãos da polícia e de outras causas alheias ao "vício", a maconha não mata ninguém. A falta dela é que deveria constituir crime, pois está sendo velada a possibilidade de uma qualidade melhor de vida, mais digna, digamos assim. Os governos devem fornecer aos seus cidadãos condições decentes de sobrevivência e uma  planta, animal, ou invenção capaz de tornar a vida do sujeito mais "fácil" ou suportável, mais produtiva, não pode ser um produto ilegal ou inacessível, isso constitui-se uma violação aos direitos humanos.
Porque é que nós usamos o algodão se a fibra da maconha é mais resistente, mais manipulável e, sendo liberado o seu plantio para fins industriais, seria também mais barato comparado ao próprio algodão?
Eu estou cansado de fingir que não penso que um cara que é contra a legalização da maconha é um assassino, um irracional. Não sei se é ausência de amor ao próximo, mas com certeza não é humanidade. É como se de repente todos os maconheiros fosse sair pelas ruas baforando seus barrunfos na cara dos transeuntes. Como podem preferir que os usuários, jovens ou não, fiquem reféns de bocas-de-fumo e de pseudo-criminosos do tráfico? Qual a vantagem moral nisso? Qual a desculpa sanitária pra isso? É só pra não ver alguém "de boa"?
Então os alcoólatras não se tornam imbecis depois de algumas doses? Então os alcoólatras não tem que esperar final do expediente para encher a cara? Então nas bulas dos inofensivos remédios farmacêuticos não há alertas sobre danos causado pelo uso excessivo ou incorreto? Então uma pessoa que fez radioterapia, quimioterapia não poderia ter tido um melhor restabelecimento com maconha? Então o  cérebro humano não possui "neuroreceptores de canabinóides"? Então por que a pessoa que fuma é doente ou criminoso? Para, porra!

NINGUÉM MORRE POR CONSUMIR MACONHA!
NINGUÉM SAI SEM CONDIÇÕES DE DIRIGIR DEPOIS DE FUMAR  MACONHA!
NINGUÉM FUMA MACONHA NA INTENÇÃO DE ESPANCAR A ESPOSA, OU OS FILHOS, OU O VIZINHO, OU O CACHORRO...
NINGUÉM FUMA MACONHA E VIRA ESTUPRADOR
NINGUÉM FUMA MACONHA E FICA RETARDADO

...Mas a elite apavorada, os puristas, os moralistas e os canalhas preferem que seus filhos virem traficantes de uma planta que só é proibida no Brasil (e em boa parte do mundo) porque o bem-intencionado Governo Americano resolveu declarar guerra, para que suas safras de algodão, de uísque, de transgênicos continuassem supervalorizadas. Eles também preferem o imposto pago pelas indústrias de birita e cigarro (se o cara planta em casa ele não paga imposto). Será que o bem da população entrou em debate? Sabe o que é bom lá? Todo mundo pode ter armas, mas fumar maconha não. O slogan deles é: "Não fume Cannabis! relaxe atirando em alguém!"
A maconha pode substituir vários produtos, mas não se pode pedir que se deixe de investir em pesquisa e desenvolvimento de novos materiais tão baratos e economicamente viáveis para o nosso país e para a humanidade. Isso seria lesar a pátria. Uma grande lesão já é não aproveitar as ótimas condições climáticas para o cultivo de cannabis da região NE, mas, ao invés disso, os governos esperam que esse povo infeliz desapareça de uma vez. Isso é absurdo, é doentio.

Tem gente dando depoimento na tv dizendo que a liberação iria fazer os jovens consumirem mais, mas em Portugal não aconteceu isso e na Argentina, que eu saiba, também não, então só no Brasil é que isso vai ser verdade? Eu sei que o nível da nossa educação é  inferior ao desses países, mas o nosso povo é único e o mundo todo sabe disso. Ninguém se respeita e se tolera tanto quanto o brasileiro, mesmo num território tão imenso como o nosso, somos solidários.

O ser humano é capaz de lidar com as drogas sem nenhum tipo de censura, mas a sociedade precisa dos degenerados, dos criminosos, como precisa do dinheiro, do luxo e enquanto essa mentalidade persistir seguiremos rumo ao fracasso como civilização.
Assim como álcool e o tabaco, a maconha também tem suas regras. Ninguém vai trabalhar doidão, ou fumar no trabalho, assim como não se pode beber ou fumar tabaco em certos lugares hoje em dia.
Crianças não podem fumar o cânhamo assim como não podem beber, ou usar outras drogas, porque o seu corpo em formação pode sofrer danos e alguns "danos" podem existir causado pelo consumo excessivo até de água.
É ridículo o cidadão não poder, em sua casa, relaxar fumando um fininho, assim como pode tomar seu uísque, apenas para poder dormir mais leve depois de um dia cansativo.
É ridículo chamar um cidadão produtivo, responsável, pagador de seus impostos, pai, mãe, avô, avó de alguém de marginal, encaminhando a uma delegacia, ou lhe dando um sermão, por fazer uso de uma planta que não é um veneno, nem causa dependência, nem traz nenhum malefício. Acho que é hora de parar com essas mentiras.
Se temos 1,3 milhão de usuários declarados precisaríamos de 1,3 milhão de pés de maconha por mês. Cada um planta a sua e ninguém vira estatística de uma guerra urbana IRRACIONAL. Quem não puder plantar se junta com alguém, faz uma cooperativa, mobiliza o bairro, mobiliza o município. Só não dá mais pra ficar nas mãos da polícia e dos criminosos, pois esses não são amigos de ninguém querem apenas ver a coisa toda pegar fogo para que eles possam brincar de tiro.
A guerra contra as drogas não é uma guerra anti-degradação moral. Se eles estivessem preocupados com isso não deixariam milhões morrerem de fome enquanto safras são jogadas no lixo por falta de competitividade de mercado.
Se os governos estivessem realmente preocupados com a qualidade de vida das pessoas não as imporia metas irreais de produção. Estamos nos desenvolvendo rápido em tecnologia, mas a filosofia e os assuntos ligados à mente e ao comportamento humano ficaram estagnados no meio do século passado. Talvez por causa das guerras, talvez por causa do próprio crescimento demográfico acelerado parou-se de pensar.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *