domingo, 1 de dezembro de 2013

Goste do que quiser, mas feche as pernas

A uma altura dessa e sou eu ainda que tenho que explicar que "o gosto pessoal é como cu"? Eu não quero saber de explicar nada. Cada um pode gostar do que quiser, tem gente que gosta de apanhar, gente que gosta de bater; tem gente que gosta de amar e gente que gosta de poder. Um gosto é como um lugar em que você pode até fazer outras coisas, mas não pode fugir da podridão, do fedor da merda que é. Tem pessoas que gostam de música ruim (seja lá qual seja), tem gente que gosta de música boa (seja lá o que seja), tem gente que nem de música gosta, mas cada um tem o direito de ser feliz ouvindo o que lhe apraza e também tem o direito de ser musicalmente surdo. Eu é que não tenho que gostar de tudo que é música só porque sou um músico. Isso é tão estúpido quanto maléfico. A música não deve ser imposta, como também não deve ser segregada.
Falando em merda, outro dia uma garota (das mais gracinhas) veio me interpelar sobre o sexo anal, se eu gostava de um "fio terra"... (#$%&*!) Eu lhe disse que não achava nada demais desde que não fosse o meu. Primeiro ela me achou antiquado, então eu lhe disse que não sabia por quantos orifícios um ser humano é capaz de sentir prazer, mas que eu tinha certeza que o MEU órgão sexual não é a porra do meu cu seco. Não sinto prazer algum em cagar a não ser para me aliviar da vontade de fazer cocô. Entendo aquelas pessoas que dizem sentir um prazer quase sexual em defecar (essa gracinha mesmo disse-me isto, é mole?). Eu, quando estou cagando, só sinto uma merda passando pelo meu ânus e fedor, muito fedor. Se merda fosse cheiroso talvez fosse 50% menos desagradável, todavia cagar ainda não ia me dar prazer nenhum. Eu juro que entendo os caras que transam com um dedo enfiado no "chicote", ou uma cenoura, ou um aipim... entendo essas coisas estranhas, mas que não me peça pra ver ou mesmo pra enfiar "lá nele" eu não tenho nada contra seus hábitos particulares. Já com as mulheres a conversa muda, todavia eu deveria estar era falando de música.
Bem, se gosto musical ou qualquer outro é pessoal, então é cada um com seus problemas. É massa encontrar pessoas que compartilham nossos gostos, mas e daí? Daí que eu tô de saco cheio é com a imposição. Me deixe em paz! Por favor! Já fui "arrastado" para pagodes, serestas, arrochas, festas de axé e posso garantir que um segundo num lugar desses sem uma boa companhia ou uma garota interessante, nem que seja só pra olhar, não faz o menor sentido. Não é a música que leva as pessoas a esses lugares, é o sexo, mas eu não posso não considerar a música apenas por isso, afinal tudo que o homem fez em sua nada parca existência foi sempre buscando o prazer do sexo (oposto normalmente), ou a humanidade não se desenvolveria. Algumas músicas não são para se ouvir com os ouvidos (se me entendem e permitem dizer).
Eu sou um chato, o que posso fazer? Eu sei que a música existe para se comer alguém e isso se aperfeiçoou, apesar de ter gente vivendo para provar o contrário fazendo músicas mais broxantes que sedutoras, mas eu acredito que isso é passageiro. O prazeres estão tão confusos nas cabeças das pessoas que acabam ficando antiquados antes mesmo de saber o que está acontecendo em seu próprio tempo. A liberdade de expressão é uma coisa tão confusa que em vez de necessária acaba se tornando estúpida, porque sempre acabam abusando da liberdade sem mostrar expressão/expressividade alguma.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *