quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Ríu Mái Bóus

No dia do lançamento do clipe do Honkers eu sofri um acidente com a bike. Poderia até dizer que quase sofri, como já falei, mas o fato de ter deixado seqüela não pode ser dado como "quase". Ainda sinto um certo desconforto na região do saco, ali bem pela beirada do ovo esquerdo. É uma coisa bem sinistra. Fiquei até meio noiado de ficar brocha depois da pancada, mas graças a Jah a ferramenta funciona. Mas a dor fica ali, sabe como é?
É como o país. O Brasil continua sua guerra insana contra as drogas. Entra ano, sai ano, entra partido, entra polícia, entra governo e a política de drogas não muda desde que eu me entendo por gente. E eu mudei pra caramba desde que nasci: era guri, fui adolescente, virei adulto e daqui a pouco, se a vida insistir, estarei velho. Cresci muito, aprendi bastante e não me canso de buscar conhecimento, mas inconscientemente, ou não, os governos e boa parte do que chamamos de sociedade se mantém numa atitude da mais completa ignorância com relação às drogas e aos usuários. Todo mundo compra, e todo mundo é contra, todo mundo vende, e todo mundo pode mandar te prender. Existe a proibição, existe o tráfico e de vez em quando um lado sofre.
Ainda temos que fingir espanto com a situação estúpida em que vive o Rio de Janeiro. Vai fazer o quê? O lugar que tem o povo mais "ixperto" e arrogante do mundo vai ter uma polícia e uns bandidos igualmente "ixpertos" e arrogantes. Se ao menos lá começassem  uma nova visão com relação às drogas, talvez se conseguisse algum avanço no resto do país, que só tem olhos para a cidade maravilhosa. Mas é um pensamento inocente meu. Melhor pensar nas minhas bolas.
Ontem eu dei uma apalpada séria pra ver da colé de merma. Duas semanas essa porra doendo não deve ser bom. A parada deu tipo um estalo quando eu estiquei a pele. Sabe aquele medo cortando sua espinha e congelando as pregas do seu rabo? Putz! Naqueles 2 ou 3 segundos eu pensei que aquilo fosse inchar e depois eu teria que fazer uma cirurgia para arrancar as bolas. Acendi a luz e dei uma boa olhada. Nada. Massagiei. Aguardei mais uns 5 segundos e olhei de novo pra ver se tinha mudado de cor ou sei lá. Nada. (É... se até amanhã não ficar roxo, mudar de tamanho ou a dor piorar eu tô salvo.)Pensei. Olhei hoje e tava tudo bem.
As mulheres devem ter muita inveja de nossas bolas. Não tem uma relação com nada parecido como isso. (Nem mesmo nossas mulheres com nossas bolas...) Talvez algo as faça pensar tanto no futuro quanto um possível problema no saco nos faz, mas tenho quase certeza que não há nada parecido no universo feminino. Bem aventuradas mulheres... rezemos por elas.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *