quinta-feira, 27 de março de 2014

Deixar de amar alguém?

Já deixei de amar muita gente, mas nunca por falta de amor. Não de minha parte, digo, por mim jamais faltará um pingo de amor para mudar de lugar. Não é uma substituição, só uma lei básica da natureza: nada se perde. E eu não gosto de desperdícios.
Não sei porque as pessoas insistem em complicar coisas tão simples como gostar ou deixar de gostar de alguém. Não é preciso ter ódio, só basta fingir que tal pessoa nunca existiu e pega as coisas boas que você sentia por quem não existe e aplica em algo sem nenhum interesse.
Já quis não amar muita gente, mas essa minha mania estúpida de ver algo de bom onde não existe nada que se aproveite é mais que doença. A maioria não está nem aí para serem "boas pessoas" elas querem apenas se "dar bem" não importa quem vai "se fuder" por isso. É triste, mas sigo estupidamente dedicando algum amor a alguém... Felizmente nada é eterno.
Todo amor que eu dedico é por um amor que habitam em mim. Tudo que eu odeio é pelo mesmo amor que  me faz folia e é inútil. Daí nasce o desprezo e o amor próprio, mas é difícil amar a si mesmo quando não se recebe amor de nenhum lugar. Amar a algo que não se pode amar é estupidez, babaquice, imbecilidade. Tudo pode perfeitamente ser inteligivelmente amado. (...)

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *