segunda-feira, 22 de abril de 2013

Sigo de bike minha vida sem destino (continuação)


Tinha um monte de gente lá no bar de dona Jane. Tinha uns moleques lá com umas conversas de ladrões de carros e motos e drogas e um monte de pecado. Era até divertido ouvi-los conversar, mas depois de prontas as barracas a idéia era se chapar e eu não consigo me chapar ouvindo aleotrias o tempo inteiro então apresentei um finório e entabulei conversa sobre os atrativos da localidade totalmente desconhecida para mim. Os caras falaram pra caramba e saíram roncando com suas motos de um jeito que eu temi por suas vidas, mas eu não soube de ninguém que tenha se acidentado nos dias que fiquei por lá.
Não fizemos trilhas de bike, apenas caminhamos por entre a floresta, mas nos deparamos com quadricilos e motocicletas cortando o barulho silencioso de uma bela paisagem de rio e mata. Eu não contava com isso, mas o lugar era perfeito para eu poder aliviar minha mente de um ano que acabaria de forma melancólia não fosse pela compahia de uma garota e um casal de amigos que apareceu na madrugada da mesma noite em que chegamos.
Nem tanto assim, porque minha "companheira" pegou um busú pra Salvador no dia seguinte a nossa chegada para poder passar a noite de ano novo com o filho enquanto eu fiquei de "vela" do casal e brindamos o ano novo em Imbassaí (de carro) ao som de uma banda horrenda em meio a alegres desconhecidos.
No dia seguinte eu deveria parar de beber, mas acordei e esqueci, quando lembrei decidi adiar para o dia 2 o início da abstinência e passei todo o espetacular domingo de sol me chapando em alta velocidade. O pessoal ainda convidou a gente pra um churrasquinho e aí já viu, né? Eu que tava na bronca com 2011 comecei 2012 "virado no cabrunco". O bom de estar em companhia da natureza exuberante é a ausência quase completa de ressaca no dia seguinte e quando saí da barraca me deparei com uma garrafa de 2 dedos de conhaque e não pensei duas vezes, tomei de um gole só. Quando me liguei já era tarde, mas decretei que este era o último gole de birita do ano de 2012, mas as coisas não se deram exatamente assim. Que importa? por mais de 360 dias eu pude cumprir minha promessa e agora sei que nem é tão difícil assim ficar sem beber, já ficar sem pedalar é uma outra coisa. Se algum dia eu fizer a promessa estúpida de não pedalar por um ano, alguém, por favor, me interne.
Voltamos de lá numa pedalada só e nos despedimos sem muita cerimônia. fiquei com um sentimento muito bom em meu coração inquieto, mas essa foi a primeira última vez que pedalei com aquela garota. Algo nela me atraía como uma dose numa noite excitante, mas a repulsa que tive a ela pouco tempo depois me fez ter a certeza de que devemos pensar primeiro no pinto e depois buscar o equilíbrio. É perigoso amar apenas sexualmente e traz bem pouco benefícios, mas não adianta esperar que todas as pessoas tenham a consciência sobre o momento, o valor e a necessidade de cada um de se ligar a outro para atingir alguma iluminação.
3 meses depois eu iria encarar a Volta do Recôncavo com os Jurássicos e essa esplêndida jornada ficaria para trás, sem tristeza, sem alegria, sem mágoas e sem nenhuma gratidão exceto pelas pessoas queridas que vi pela última vez nesses dias.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *