quinta-feira, 18 de abril de 2013

"puta merda!" Galinha é tudo igual...

E daí?


Acredito que este ano o galo não vai mais fazer gol no São Paulo, seja na libertadores, seja no brasileiro. Galo, galinha... se vai ser frita, ensopada, desfiada, pouco importa. Pode se servir um vasto banquete mesmo com um prato bem simples acompanhado ali do arroz com feijão.
Eu adorava quando minha mãe fazia um feijão sem nenhum tipo de carne e a única gordura era do pouco óleo que dourava o alho. O tempero é tudo.
Temos muitas ervas aromáticas que preenchem nossas papilas gustativas de tantos sabores que podemos até esquecer o que estamos comendo. É preciso saber rechear a galinha, o frango, e também fazer um bom arroz.
Lembrei da galinha caipira lá de Conceição dos Gatos.... Delícias da Chapada Diamantina...
Os caras não entendem de futebol vão entender de culinária? 
de arte? 
de amor? 
de felicidade?

de alma?

Eu poderia vá vá v´a rias coisa, se eu fosse um... ou mesmo ter estado nas conversas de Telê com... como é mesmo o nome do presidente...? Do Brasil não, porra... "Puta que o pariu! Disse o presidente da associassão beneficente..." já meteu (lá nele!) o cearense Falcão a long a long time ago, before the winds, before the storm.. mas eu nunca vi um time que não confia no seu coletivo e isso, meu cumpadi, num tem tempêro que ajeite, aliás, certo como Luís Fabiano e gol é quase como Morumbi lotado de de uma só alma feliz. Eu sou TRI, TRI, Tricolor desde muito antes de saber o que representavam as três cores, ou da sua história, ou da minha própria história, ou a história dos palavrões e palavrórios e xingamentos e... 
Pra não dizer que eu tô sacaneando ou acabar sendo impoliticamente correto... 
Porra! CAralho! PUTA QUE O PARIU!  Pra que é que eu fui assistir "O dia que durou 21 dias" não... é...." antes de saber o que era o sistema político da ditadura eu já era tricolor, mas era apenas a minha pele e meu osso e meu sangue, era meu espírito muito tricolor, gostava até mesmo da bandeira do Brasil penta colorida, mas é aquela coisa, tipo... tem gente que acredita que uma andorinha precisa só de uma outra andorinha pra fazer verão, mas existe todo um ecossistema... Tem gente que até hoje me enche o saco por ser da Bahia e ser São Paulino, tem gente que acha que o "paulino" é diminutivo, mas é coletivo, mas essas viadagens eu deixo pra discutir com meu amigo gay, culto, ciclista como eu (lá ele, né man?) Lucas Jerzy, mas enfim, seja como for eu estou ainda bêbado e não devia estar escrevendo, mas também estou... como eu vou dizer?... não é muito doido não... hehehe o problema de toda a gente é pensar besteiras demais. O que eu queria dizer era feliz. Feliz demais! 

Eu sou daqueles caras que prefere ouvir uma notícia triste quando está feliz e torcer pro São Paulo lhe dá essa segurança. Mas eu não devia meter essas questões em conversas sobre o futebol, porque o futebol é um esporte de putas e as putas vão onde tem o dinheiro e eu já odiava o dinheiro antes de saber o que era a ditadura e tudo o que significava não ter direito a ter direitos. Talvez eu já o odiasse antes de ser São Paulino, mas eu ficaria puto se meu time tivesse sido campeão em qualquer de seus títulos de uma maneira vergonhosa, como as galinhas paulistas que comemoram um campeonato vergonhoso em 2005, como o Flamengo que fui um time de puta em 87 quando não quis enfrentar o Guarani e o Sport. Não. Essa não é nossa história. Há 20 anos na Libertadores a TV ainda não podia cobrir alguns jogos e me lembro de Telê Santana, espírito de grupo, confiança no conjunto... como posso pensar no pesadelo de ter um Lúcio na zaga? Mas eu confio no meu time antes de tudo, antes mesmo de entender que o coletivo fazia parte do todo e não é só o craque decide o jogo. O "espírito" de torcer para este ou aquele time não tem nada a ver com o lugar que você mora, pois nada determina realmente o que a pessoa pode ser, mas de novo eu vou falar demais sobre uma coisa tão profunda e séria num texto sobre futebol. Imagina se eu vou ficar pensando merda quando eu posso pensar em ser feliz?
Pior é que a sorte também tem três cores, mas você acha que bêbado e chapado e feliz desse jeito eu vou explanar sobre uma porra dessa? Se foda! Desculpe, mas eu tenho que xingar muito quando estou feliz.
Aí eu fui um dia numa festa mei gay e minha brother disse pra eu usar o banheiro feminino porque o masculino era meio "pesado". Porra! Imagina uma menina falando isso prum cara de 2 metros, negão? Pois é. Tipo assim: meus verdadeiros amigos sabem que eu sempre espero o melhor e encontrar homem se chupando no banheiro não é uma coisa que eu aprecie. Nada contra a viadagem, mas é melhor correr o risco de encontrar duas mulheres, né não? Como odiar?

Aí volto eu pro jogo, mas agora já estou escrevendo de tarde, depois da ressaca, depois da chuva. 


Pensei várias vezes em falar pro juiz de várias partidas do meu time - Pega tua porra do teu apito e enfia no cu, Vossa filadaputessência! Parece que os caras escolhem sempre o São Paulo como "o comédia", da comissão de arbitragem, mas não existem contos de fadas e quando o espírito do guerreiro se levanta, nem todo o dinheiro do mundo é capaz de sobrepujar. o time jogou com garra e venceu, Ponto final. Os caras vão continuar como sempre fizeram, tentando desestabilizar o que não pode ser abalado, mas eles não entendem, ninguém entende, talvez só outro torcedor fanático como eu.
Eu sei que Denilson e Welington são dos maiores marcadores e ladrões de bola que existem, mas além deles, ontem até mesmo Paulo Henrique Ganso estava "chato" na marcação e não descansou um só minuto sendo um guerreiro como todo brasileiro, São paulino ou não, deve ser. Talvez alguns caras não tenham feito uma excelente partida como esses 3, mas não tenho como não lhes agradecer pela bela noite de futebol. Agradecer a Romário, meu amigo, irmão, quase-meu-filho, quase-meu-pai, por ter ido comigo assistir mais uma vitória do nosso time e por podermos nos atualizar sobre amigos que não vemos há tanto tempo e outros há não tanto assim, mas que sofrem e se comprazem, e fazem sofrer, e fazem feliz...
Muitas pessoas veem graça na desgraça e acreditam que desgraciosidade tem alguma coisa a ver com qualquer sentimento ruim, mas não é nada disso que se trata. Temos que voltar no tempo em que não era apenas de dinheiro que se vivia em busca, nem de salvação, nem de paz. a paz está dentro de cada um e quando você a encontra nenhuma verdade é pesada demais para suportar. Mas nós choramos.
Eu tenho assistido pouca tv porque só tem desgraça e nenhuma desgraciosidade real. É tudo fake e maldade e eu não estou interessado, obrigado. Eu devia ter dado um fim nela quando tive chance, mas de vez em quando a gente precisa do futebol, como precisa dos filmes e clipes e documentários que nos fazem ser e enxergar quem realmente somos. Muitas vezes não queremos encarar e vivemos na ilusão de que somos diferentes, mas esta humanidade que vivemos já cometeu mais atrocidades que meu receptor agüenta e eu não tenho tempo apesar de estar sempre "livre". Ficar ligado em desgraça não é liberdade, mas as pessoas viajam... olha os programas que eles empurram no horário do almoço? Duvido que alguém tenha um bom dia depois de comer vendo desgraças. No mínimo elas vão ter uma úlcera, mas eu não sou doutor pra afirmar.
Eu sei que meu time ganhou, choveu e amanhã é sexta-feira. Semana que vem vou bater meu pedal pra Guanambi, queria poder levar Conhaque, mas não tenho um carrinho nem vou procurar, pois falta pouco tempo e tenho muito trabalho. É eu também tenho trabalho às vezes, não vivo só de cachaça, amor, poesia e música. Não vivo, infelizmente, da minha arte, do meu amor, nem do meu caráter, que são as únicas coisas que jamais me abandonaram nesta vida e são cada vez mais o que devo estar mais atento. Mas eu sobrevivo.
Eu amo bem pouca coisa nessa vida, mas cada vez queria amar menos, pois a felicidade nem sempre se faz representar pelas coisas que você mais ama. Creia em mim!
Antes do Ba-Vi eu havia dito que o Bahia, em condições normais de jogo, ou seja: sem o "apito amigo", jamais ganharia do Vitória, mas eu não estava me declarando torcer pro vice, estava apenas refletindo sobre o futebol e as pequenas sutilezas de uma partida como a que iria inaugurar a nova Fonte Nova. Normalmente eu olho e reflito.


Lembro que em 2010 eu passei pelo que eles diziam que ia ser o "estádio das barbies" também conhecido como Itaquerão. lembroq ue no ano passado muito se falou sobre a abertura da copa ser realizada lá e que as barbies iriam conquistar o mundo, e até o conquistaram, mas contra a história nada se pode fazer. Em 2005 eu fui no Morumbi ver meu time ser campeão e sabia qual seria o placar do jogo. Não tenho mais esse poder, mas continuo gostando de futebol. Ano passado a gente ia sapecar um chocolate nos argentinos na final da Sulamericana, mas eles se aputaram e quiseram manchar nossa superioridade no futebol tenatando sair na mão, mas eles perderiam também no braço, por que aqui é tricolor e quem tem pena é galinha.
quando a gente meteu 5x1 lá no campeonato que eles foram campeões lembro de algum sacana falando que o time tirou o pé porque ficou com medo de os caras acabarem com a cidade. 
Eu só digo uma coisa: cada um com seus problemas! O estádio do meu time segue sólido, soberano, seguro e confiável. Se a copa do mundo vai começar lá pouco me importa, o que eu sei é que serei campeão ainda muitas vezes nessa vida.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *