terça-feira, 16 de agosto de 2016

Pedalar é preciso, ciclovias não são precisas.

Sou um soteropolitano suburbano pedalante que acabei de ganhar uma das maiores ciclovias do país para meu usufruto. 14 km só pra que eu e os cicistas do subúrbio possamos andar em nossas bikes com segurança, queiramos ir pra o lado de Paripe ou pro centro da cidade. Agora nós podemos ir pedalando em paz na ciclovia. #SQN (Mentira!)
A própria ciclovia me põe em risco. Ela é estreita, tem ondulações perigosas, bordas altas que por ter ainda pouco espaço causa risco de acidente, lixo etc. A menor largura de uma ciclovia segundo o DENATRAN é de 1,20m. Problemas a gente enfrenta em qualquer caminho pra qualquer lugar, mas alguns a gente aprende a evitar. Se eu ando com minha bicicleta nesta ciclovia sou ciclista em risco e hoje em dia eu, já ficando coroa, tento sempre estar o mais seguro possível.
O código de trânsito brasileiro diz que quando a ciclovia ou ciclofaixa estiver impossibilitada de uso o ciclista deve trafegar nos bordos da pista, no mesmo sentido e com preferência sobre os veículos automotores. O que eu fiz um dia desses? Estava descendo lá de Plataforma na maior alegria, ligadaço na ciclovia cheia de sobe e desce, pedestre, lixo, quando numa dessas passagens de carro eu tive que dar um pulo pra voltar pra ciclovia que eu nem tinha saído, porque os caras deixaram um batente, aliás tem outro batente desse bem em frente a igreja de Periperi. Não tinha carro, não tinha pedestre, não saí da ciclovia e podia ter morrido ou me acabado todo e a bike. Talvez eu devesse vir mais devagar, mas se você está protegido pela “maior ciclovia do estado” até pensa que tem sorte. Saí da ciclovia um pouco mais à frente e sentei o pé no pedal aproveitando que as lombadas tornam os veículos mais lentos e me posicionando na lateral esquerda da suburbana andando quase na mesma velocidade dos veículos. Mas sempre tem um engraçadinho... 
O CTB diz também que o motorista deve guardar distância de 1,5m ao passar ou ultrapassar bicicleta. Ora! Dentro da ciclovia ônibus passam a bem menos que isso toda vez, mas via é via e de repente chega um tirando um fino, falando um monte de impropério apontando pra ciclovia perguntando se eu era palhaço. Acho que ele queria me comediar. (Só porque dirigia uma viatura e eu era um negão?) Passou por mim, mas não ficou muito longe não porque eu tava sentando o pé, ou talvez quisesse ver se eu ia mostrar meu dedo pra ele no retrovisor, mas diz no CTB também que segurar guidom ou volante com apenas uma das mãos é infração sujeita a multa e eu não queria dar esse mole pra esses caras me pararem numa manhã tão “de buenas”. Passei por eles em Periperi já atrapalhando o trânsito de outro parando numa esquina. Eu deveria multá-los.
Eu já tinha observado o risco dentro dessa ciclovia na descida de Plataforma no sentido Calçada, por isso sempre que vou pra lá espero o semáforo para carros fechar cá em cima e desço pela pista que é muito mais seguro(até mesmo com os carros), agora passarei a agir assim também na volta pra casa porque está perigoso: as vias estão estreitas; os motoristas, mau-educados, não se respeitam e não respeitam o espaço. Na suburbana eu ando do lado esquerdo para que o motorista nunca tenha a desculpa de não me ver e também a gente pode conversar ali de pertinho, como com o guarda que tava me xingando. É melhor ser xingado do que ser morto!

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *