domingo, 16 de dezembro de 2012

...E o São Paulo é Campeão

Eu estava lá no primeiro jogo com meu amigo Vinícius e a torcida Sampa SSA. Sou pé quente pra caramba! Dois a zero com direito a vídeo premonitório  do gol de Rogério, o Mito, e carona pra casa com Romário, o Corrente. Eu já sabia que dali em diante era só alegria na Bahia de meu coração boleiro e apaixonado por futebol bonito, bem jogado, como um esporte de cavalheiros sérios.
Aí veio a primeira "universidade" das 3 que o São paulo teria que enfrentar até chegar à final: LDU de Loja, e por incrível que pareça a teoricamente mais fraca das equipes foi a que deu mais trabalho. Jogar no Equador é sempre complicado e saímos de lá com um 1x1 com gosto de derrota, mas muito pior foi o 0x0 em casa ainda sem a presença de nosso goleador Mor.
Mas aí veio a La U (Universidade do Chile), o mais perigoso time, o atual campeão da Copa Sulamericana, o time a ser batido. E Wilian José, quem diria, no jogo de ida resolveu a partida e não fez ninguém lembrar do Fabuloso. 2x0, dois gols dele. Mas na volta, no Morumbi o Fabuloso tava em campo e o melhor futebol também. Foi uma senhora goleada pra deixar com medo todos os futuros adversários, afinal não se humilha um ex-campeão assim. Lucas, Tolói, Jadson(2) e Luis Fabiano (GOLAÇO!) fizeram os gols, mas a grande jogada da partida foi de Cortez que deu o passe para o quinto gol. Uma jogo brilhante!
A última das universidades sulamericanas veio e o futebol brilhante parece que só aparece contra times fortes, pois a Universidade Católica (também do Chile) já na casa deles casa pareciam um alvo fácil (como na libertadoes de 93), mas como eu ia dizendo o futebol sumiu e o São Paulo só conseguiu um empate, 1x1 novamente com gosto de derrota. E a partida de volta em casa não foi muito melhor, 0x0. Foram jogos promissores, que apenas um time jogou e não conseguiu fazer valer sua superioridade, mas quem se importava? Estávamos novamente na final.
Podia ter sido uma bela final entre Brasil e Argentina, de futebol brigado, mas leal, de disputas, mas de seriedade, porém, para a desgraça do futebol tudo o que o time do Tigres fez foi dar pancada, achando que assim iriam intimidar os jogadores brasileiros, que segundo eles: "não estão acostumados com esse futebol duro, brigado o tempo todo..." disse um dos jogadores deles após a primeira partida que eu acabei nem assistindo, pois estava tão ansioso que não dormi na véspera. Deitei pra "descansar no fim da tarde, mas só acordei às 2:30h da manhã pra xingar o Luis Fabiano e ficar uma semana inteira com a cabeça fervendo.
Assistir aos jogos do São Paulo foi a única coisa boa que me aconteceu durante o mês de dezembro. Quase perdi minha mãe, quase perdi a cabeça, quase perdi a vida, mas no fim das contas ainda saí no lucro.
O dia da finalíssima foi quase normal. Eu deveria ir assistir na sede da Sampa SSA, mas fui inventar de ligar pra uns amigos São Paulinos daqui das áreas pra ver qual era o plano (de repente ver em casa era um possibilidade) e me disseram que tinham acertado com o dono de um restaurante aqui da praça da Revolução pra ver o jogo lá e lá fui eu achando que era um grande negócio ver o jogo perto de casa (sem precisar pedalar 30 km), com os amigos das antigas mais chegados, além do mais Alex, o "Primo", tinha chegado da Bolívia no fim de semana e eu ainda não o tinha visto. Era dia de celebração.
Ver o jogo com a Sampa não me garante escutar a narração, ou saber o que o comentaristas então falando, mas garante uma cobertura completa do jogo, coisa que no restaurante não aconteceu. A merda da Globo ficou passando a bosta da novela até não poder mais e quando ela acabou (minha paciência já tinha ido há tempos) o jogo já estava rolando. Eu estava uma pilha, nem queria muito papo, só queria ver o São Paulo campeão novamente e o jogo estava como tinha que ser: briga daqui, puxa dali, chuta de cá, rouba bola aqui, deixa a vantagem pra lá e gol de Lucas; mais briga, mas catimba, os argentinos quase em prantos e gol e Osvaldo. Aí acaba o primeiro tempo e o jogo, pois os hermanos não queriam ser goleados pois na cabeça deles é humilhante ser goleado em uma final sulamericana. O que eles não sabem é que a segunda Libertadores o São Paulo também ganhou com uma goleada em casa numa partida em que não adiantava o adversário se mostrar valente e brigão, tinha que jogar futebol e isso não se ensina em nenhum país como se aprende aqui.
O timeco argentino argentino foi tão covarde e burro que deve ter passado mesmo na cabeça deles que viriam ao Brasil jogar num estádio com 70 mil pessoas (eles nunca viram tanta gente) e iam bater em todo mundo e ainda roubar a taça. Não acho que devo descriminá-los por sua ignorância quanto ao Brasil, mas eu não posso achar que a estupidez deles deva ser perdoada. Não cabe mais no esporte este tipo de comportamento animalesco. Se queriam lutar porque não foram fazer Jiujitsu? Se gostam tanto de ficar se atracando com macho porque não tentaram o MMA? Eu sei. Porque são fracos no físico e na mente, mas isso não são todos os argentinos, apenas alguns que tem no preconceito e na arrogância o sustentáculo de toda a sua pobre filosofia.
Antes dos caras descerem para o vestiário eu já imaginava que eles não teriam coragem de retornar, pois o que eu via era um time apavorado de tonar um chocolate e com vergonha de voltar pra casa com a sacola cheia. O jogo acabou no intervalo, mas ainda sinto uma certa frustração em não ter visto meu time golear mais uma vez uns palhaços que vem pra cá tirar onda de time grande.
No Brasil tem um time chamado de timão, mas não é chamado de timão por ser um time grande, isso eles nunca serão porque são uma vergonha para o futebol brasileiro assim como esses argentinos são para a sua pátria, é timão porque tem uma peça de navio chamada "timão" em seu escudo. Neste ponto corintianas e tigresas tem a mesma qualidade: a burrice. Poucos dias antes da final da Sulamericana o curíntians esperava fazer um jogo treino dos seus titulares com o time reserva do São Paulo (o titular estava descansando  para a final) antes de embarcarem pro mundial de clubes... advinha o que aconteceu? São Paulo 3x1 fora o baile.

MIL VEZES, SALVE!!!

Salve o tricolor paulista,
Amado clube brasileiro.
Tu és forte, tu és grande.
Dentre os grandes és o primeiro!
Tu és forte, tu és grande.
Dentre os grandes és o primeiro!
Ó tricolor,
Clube bem amado.
As tuas glórias
Vêm do passado!!!
São teus guias brasileiros
Que te amam ternamente.
De são paulo tens o nome,
Que ostentas dignamente!
De são paulo tens o nome,
Que ostentas dignamente!
Ó tricolor,
Clube bem amado.
As tuas glórias
Vêm do passado!!!
Tuas cores gloriosas
Despertam um amor febril
Pela terra bandeirantes
Honra e glória do brasil
Pela terra bandeirante
Honra e glória do brasil
Ó tricolor
Clube bem amado
As tuas glórias
Vêm do passado
Trazes glórias luminosas
Do paulista imortal
Da floresta também trazes
Um brilho tradicional
Da floresta também trazes
Um brilho tradicional
Ó tricolor
Clube bem amado
As tuas glórias
Vêm do passado

São paulo clube querido
Tu tens o nosso amor
Teu nome e as tuas glórias
Tem honra e resplendor
Teu nome e as tuas glórias
Tem honra e resplendor
Ó tricolor
Clube bem amado
As tuas glórias
Vêm do passado
Ó tricolor
Clube bem amado
As tuas glórias
Vêm do passado

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *