terça-feira, 20 de março de 2012

Blogger Life 10

Até parece que eu não sei mais o que eu digo ou faço Porquê? Ultimamente tenho sido muito repetitivo? Eu que detesto detestar repetir? Sei que isso é parte da comunicação, mas por favor não no meu culhão. Tenho aprendido muito sobre mim esses dias de convalescença e não gosto muito do cara que eu já fui. Na infância eu matava passarinhos com o badogue por pura “judiação”, aliás, como assim existe o verbo judiar? “Por favor alguém pare a língua portuguesa!” Se não me engano ouvi isso de Jô, ou foi Jabor? Jesus! Ele tá certo. As pessoas insistem em fingir que discutem abertamente os preconceitos na TV e na rua, mas a hipocrisia está cada dia mais banal. Um dia desse iremos todos usar uma máscara ao sair de casa. Ser você mesmo é careta. “Aquele que nunca errou que atire a primeira pedra.”
Jorginho, meu irmão, agora é pai. Isso é meio confuso pra minha cabeça, mas é mais por sua naturalidade, como se ele sempre tivesse sido pai, é como se eu sempre o visse como se ele se visse um pai e agora o é de verdade e nós dois sabemos que ele é novo no assunto apesar de seus quase cinquenta. É uma sensação bem estranha como tio, mesmo não sendo meu primeiro sobrinho, talvez pela naturalidade... ah! Já nem sei mais sobre o que eu estou falando. O Jorginho II, vai ter um tio louco, isso está claro. "Bem vindo Jorge Coelho Magalhães Neto!"
Conhaque é o cachorro mais filho da cadela que eu já vi. Cãozinho sorrateiro! Descobri que se eu não ficar atento ele não perderá a chance de me fazer me arrepender por não ficar atento. Ele não desliga nunca. Ele também precisa de um lugar pra chamar de seu, mas não sabe esperar, ele é um cão e age como cão. Eu devo passar a tratá-lo como tal para que ele possa finalmente compreender que as coisas não são como ele imagina. Como eu posso culpá-lo por não entender muito bem as coisas, se conheço pessoas que não conseguem ver diferenças entre os animais? Algumas não fazem uso de nenhum tipo de inteligência sendo capaz de ser subjugado por criaturas de cérebro bem menos desenvolvido. O ser humano é capaz de tudo.
Esse fim de semana tem pedal pra Linha verde, volta de van. Eu não gosto muito desse negócio de van, não, achar um parceiro pra voltar pedalando seria bom. Minha parceira de pedal não está passando por um momento de muito equilíbrio, Brust e Sputter são umas putas, vou acabar voltando de lá sozinho já aproveito e fico uns dias fazendo umas músicas. Quem sabe não rola algo de bom? Tô precisando de novos ares. O lance é que, desse fim de semana a quinze, já é Semana santa e tem a volta do Recôncavo, por enquanto o orçamento prevê um gasto de 50 reais por dia, mas tudo pode mudar já que eu não estou bebendo.
Eu não tenho pedalado. Já faz mais de uma semana que não ultrapasso os limites de Pericity, mas não posso reclamar, não, meu corpo precisava desse descanso. Agora cabe a mim voltar a ficar em forma pra cair no mundo. A preparação começa now!
A febre afetara meu cérebro. Por algum motivo eu esqueci-me de mim mesmo, e de tudo que eu poderia me fazer de bom esses dias que, por bem ou por mal, estive em casa. Fui deixando de lado minha vida e me preocupei em lembrar toda a minha meninice nos seus momentos mais puros de maldade e crueldade infantil. Céus! Se os homens não se lembrassem das crianças que eram depois que crescessem... acho que a maioria deve sentir vergonha, assim como eu. Quando eu crescer vou lembrar de esquecer isso? Quando crianças queremos ser adultos para ter o poder de tomar as decisões e fazer desse mundo um lugar mais humano, quando crescemos nos tornamos isso que somos. Por mais que eu me sinta contente pelo homem que sou, pelas coisas que fiz e até mesmo pelas que não fiz, não gosto de muitas coisas que ainda faço. Às vezes é difícil ser eu mesmo e quando acontece de me encontrar com meu ego no subconsciente rola atrito e eu, evidentemente, me fodo ainda mais. Mas isso acaba um dia.
Eu sempre me esqueço que prometi a mim mesmo jamais transformar o blog em livro. Cury fez o melhor “livro que foi blog um dia” que pode existir, então pra que é que eu vou me meter nisso? Por favor alguém me denuncie se eu fizer uma merda dessa(não tenho essa prosa toda).  Desraciosidade....  Eu vou escrever um livro um dia, mas o blog é pra ser blogado, é um registro de minha passagem na rede. Será que ainda vai ter gente escrevendo daqui a 40 anos? Quando eu penso que sonhava em datilografar rápido e hoje escrevo num notebook fico até envergonhado de minha idade. “Quem diria você: coroa, titio?!” E pensar que eu já poderia ser até avô , ainda sou filho. Azar, sorte, sei lá. Só sei que odeio pensar que estou velho demais.
As pessoas gostam de mostrar o quanto cresceram socialmente em sua jornada bíblica. Eu prefiro me lembrar o quanto aprendi todos os dias, com todas as pessoas. Estamos sempre aprendendo e nos aperfeiçoando, mas a maioria só consegue ver o que é prático e imediato: se der pra comprar está ótimo, senão roubar, se não roubar se frustrar, se não se frustrar tá ótimo. Isso é que é vida. Como eu não desejo nada, não tenho nada acho que isso é vida feliz (touchê!).
O que é que eu quero? Quero que meu time jogue sempre como jogou nesse domingo, com entusiasmo, a fim de golear... eu gosto. Futebol é bola pra frente! Eu vejo da televisão e vibro. Quando eu não consigo assistir eu quase que não me preocupo mais. Isso é um milagre! Semana que vem eu quero ir no estádio, em Feira, mas do jeito que eu ando cheio de compromissos... acho que foi por isso que eu acabei doente, quero estar em vários lugares, mas sou um só e é complicado fazer tudo de bike. Tenho que admitir que nessa cidade a bicicleta não pode ser a única opção. Preciso de uma cidade melhor, rápido!

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *