sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Nuances de uma tarde sequelada


Que eu já não sei quem sou é quase um fato, mas o que tá acabando com minha credibilidade para comigo o fato de ter a memória sequelada e confusa. Quando isso acaba com minha boa imagem com alguém eu fico meio puto, pois é sempre penoso e nem sempre garantido conseguir desenrolar o mal-entendido, mas quando eu não tenho tempo de corrigir as cosias "sempre" acaba ficando ainda pior, aí eu penso que vou chegar mesmo à loucura.
De tarde, muito cedo, minha mãe havia me comentado que precisava de pão: "você nunca mais fez nada pra mim" ela disse. "mas eu tô sempre disponível" pensei, mas não ia falar. Depois do pôr do sol lembrei do pão, lembrei de minha mãe, fui à padaria e encontrei aquela menina prima/irmã de minha ex-amiga/irmã, que não vejo há tanto tempo que quase nem lembrava mais seu nome, o da prima/irmã eu já esqueci, mas o que eu não podia ter esquecido era de cumprimentá-la, pior é que eu só fui me tocar de que realmente a conhecia pessoalmente muitos minutos depois de ficar totalmente alheio a sua deslumbrante presença. Quando o insight finalmente bateu, cadê a coragem? Mas eu ia falar com ela, bastava ela virar e deparar comigo lhe encarando diligente ás suas feições e reações, mas aí entra na padaria uma semi-deusa de um reino encantado alienígena e vai justamente falar com a prima/irmã de minha ex-amiga. Agora se eu fosse lhe falar temia que ela imaginasse que fosse por causa daquela gracinha... aí minha timidez aparece e trava tudo, e, parece que só pra me torturar, pois já sabia que eu estava constrangido por não ter falado com ela, porque as mulheres sabem como somos otários nesses lances, ela se vira, pega seu pão, fica alguns segundos com aquela formidabilidade toda parada em minha frente e sai sem me dirigir olhar ou palavra.
Sei que quando falo que sou tímido muita gente dá risada e diz que eu sou mentiroso, mas quem me conhece de verdade sabe o quanto é complicado pra mim me dirigir diretamente a uma pessoa desconhecida qualquer, ainda mais a uma mulher bonita. O que me falta muito é malícia, mas acho que nem toda a malícia do mundo poderia me corrigir. As pessoas são livres pra pensar como quiserem, por que é que tenho que ser preso aos seus pensamentos? Me prendo aos meus, permaneço frio e me calo. Às vezes a timidez também é só uma manha, mas não é meu caso. Às vezes acho que minhas trapalhadas e meu azar são uma artimanha da vida pra me manter ligado, mesmo que puto. Não sei como posso esquecer que conheço uma gracinha, mas o que posso fazer? Amanhã vou na padaria no mesmo horário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *