terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Uma colher de açúcar no café quente

Só quero voltar a “eu”, eu somente)
Não sei quem somos “nós” naturalmente
Em que mundo vivemos? socialmente?
Quanto mais sei dele (o mundo) plenamente
mais me atrapalho

Houve uma vez
uma enchente
Que inundou toda a imundície vigente
No entanto o mundo hoje igualmente
Precisa de um banho mais decente
pois é muito mais imundo. Certamente.
E Deus que não se pronuncia novamente?
Não nos mostra sua face benevolente??
Não demonstra dar a menor IMPORTÂNCIA
Conosco, seres humanos incoerentes

A cada dia surgem mais
templos de descrentes
A cada dia há mais
violência de inocentes
E onde está a salvação?
O que é “Glória”?
Quem é o “salvador” que fica olhando tudo se acabar?
A odisséia terrestre está num buraco
UM VÁCUO
Fora dele me preocupa é que
Quem sou eu afinal?
Alguém me diz?
Sou tantos personagens que não consigo me encontrar em mim
E quanto mais me desconheço
Mais eu fico transparente
Mais eu tenho medo
de desaparecer completamente
Como uma colher de açúcar no café quente

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Se chegue

Nome

E-mail *

Mensagem *